2.2.06

otimismo com defeito... otimismo com data de validade expirada... otimismo inútil... otimismo ilusório... pesadelos... você me despreza... críticas... sem saída... duas horas acordado na cama... choro... raiva, tanta raiva... solidão: eterna?... de que adianta?... impossibilidade de mudanças... horizonte monótono... apenas cotinuidade... solidão... vazio... vazio impreenchível... solidão... falta de um abraço... falta um corpo aqui ao meu lado... sempre só... um muro, um beco... cansaço... infelicidade escrita na carne... respiração dolorosa... marcas de lágrimas no travesseiro... marcas de sangue no lençol... nada a dizer... um silêncio cortante... nada a fazer... distância... olhares... segredo, tudo escondido... patético... esperando qualquer sinal de vida seu... só acordei porque talvez te veria, e provavelmente não... probabilidades sempre podem estar erradas, e estão... mas de que adianta?... críticas... elogios... o dito e o não dito... morte com risadas... o grito e o não grito... a vergonha... falar só para não deixar o silêncio se impor... falar para ter sua atenção um pouquinho só... desculpas para te observar... palavras vermelhas num calendário... porcentagens... você me ajuda, eu agradeço, tudo na mais perfeita educação e cortesia... como ser otimista perto de você?... paixão, é claro, nem preciso dizer: paixão... eu te quero... mais do que isso, eu preciso de você... impossível... não, não: possível... mas não há como, não há como... teria de inventar um como... não sei inventar um como... diálogos dolorosos em sonho... pesadelos insinuando o que poderia ser a vida... desses dois, qual o maior pesadelo?... vida sem sentido sem você... palavras inocentes que machucam... ódios involuntários... patético e ridículo... como tem que ser... cansaço, mais cansaço... cansaço físico... cansaço total, completo, até a alma... brincadeiras idiotas... piadas bestas... só esperando um olhar... sorriso ingênuo... meio idiota... dor no corpo... dor maior que no corpo... qual é maior?... o tempo se esgotando... a distância me ameaçando... o tempo me ameaçando... vontade virando desvontade... não quero ir embora sem você... a esperança idiota, a crença sem razão, a crença sem acreditar... a espera por alguém que me salve, alguém que leia o que eu escrevo e entenda, e venha me contar, finalmente, COMO, me explicar em detalhes os passos objetivos, a receita que me permita ir além do otimismo, para a realidade. Não estou mais otimista. Já tentei, também não funciona. Preciso de mais do que esperanças burras. Preciso de você, de verdade.

2 Comentários:

Blogger Lobz disse...

eu só queria dizer que com certeza não é desprezo.
muito pelo contrário.
eu sei.

6/2/06 22:28  
Blogger Artur disse...

será que sabe?...

6/2/06 23:15  

Postar um comentário

<< Home